Loading...

quinta-feira, 30 de junho de 2011

Casarão em ritmo de Férias.










Venha conferir nossas ofertas no interior da loja , tudo para sua casa, sendo ela conteporânea ou clássica. Estaremos aberto normalmente .









Este sofá antigo ganhou cara nova com estofado em pathwork.




A escolha do tapeceiro que irá fazer o trabalho também é importante. Tapeçaria é um trabalho artesanal que requer cuidado para que fique bem feito. E, como outros trabalhos artesanais, é cada vez mais difícil encontrar profissionais qualificados. Geralmente são trabalhos que passam de pai para filho






















quarta-feira, 24 de novembro de 2010


Baú Demolição
Qualidade inigualável, espaço interno grande com dois gaveteiros externos.
puxadores de ferros.

Aparador Demolição com gaveteiros
para todos os estilos e gosto.
Vendido.





Cristaleira Madeira Demolição


Designer modernos e tradicinais, antigamente se falava muito em movéis de madeiras em realçar ambientes atuais com antigos. Percebe - se que a madeira quebra um pouco o modernismo e pode deixar também algo mais clássico.

Ao mesmo tempo que tem uma peça diferenciada exibe seus objetos de louças, e cristais em geral. Na parte debaixo ainda pode se guardar baixelas entre outros utensilios.






terça-feira, 23 de novembro de 2010


Temos o tradicional Pão de Queijo mineiro , feito para melhor servir nossos clientes.
Aceitamos encomendas. ( Natal e Ano Novo pedimos antecipação)
Clientes da loja que experimentaram podem falar por si só.

terça-feira, 24 de agosto de 2010


Cadeira Luis XV
Com a morte do Rei Luís XIV, em 1715, assume o governo na França o Regente Duque de Orleans, já que o sucessor do Rei Sol, seu bisneto Luís XV, tinha apenas 5 anos de idade. Por isso o estilo Regência é a transição entre os estilos Luís XIV e Luís XV. Nesse estilo - Regência - com a corte sendo transferida de Versalhes para Paris, sentia-se uma reação para menor pompa, maior alegria e simplicidade. Estava plantada a semente do rococó. A França passava por uma situação econômica difícil, e o reflexo disso notava-se na construção de palácios menores, que sugeriam maior intimidade nas festas. Com a transferência da alta sociedade para Paris, os edifícios particulares como o Hôtel de Toulouse, Hôtel d'Assy, o Chateau de Chantilly e o próprio Palais Royal, de propriedade do Regente, tornaram-se o palco onde se executavam as mais deslumbrantes decorações no estilo Rococó. O termo Rococó* originou-se de duas palavras francesas: "rocaille", que significa rocha ou gruta, e "coquille", que quer dizer concha, ornamento muito encontrado no estilo Luís XV.Na arquitetura, o estilo Regência conservou a majestade de composição do estilo Luís XIV, com o acréscimo de uma nova liberdade, já que a arte deixou de sofrer o controle real. O interior das construções, as salas e quartos, também mantiveram um pouco do esplendor do século XVII, mas adotando as curvas livres e formas do Rococó. Não era ainda a fantasia transbordante do estilo Luís XV, mas existia a liberdade que permitiu que as características do novo estilo de arte alcançassem seu pleno desenvolvimento. Na metade do século XVIII, o estilo Rococó passou a dominar, mas a arte dos dois períodos se entrelaçou tão fortemente que dificulta uma divisão exata. O mais original de todos os estilos de arte franceses é o Luís XV, que rejeitou influências e tradições de fora, criando um estilo mais essencialmente francês, livre da inspiração clássica greco-romana. Mas não ficou livre de influências: derivado do Barroco, recebeu um toque oriental da Turquia e da China trazido pela Companhia das Índias. Também o pintor Watteau já mostrava a possibilidade de uma arte mais espiritual, mais alegre e fantasista. A arquitetura religiosa foi pouco afetada pelos estilos Rococó e Luís XV, prevalecendo o Barroco. Ao contrário, a arquitetura civil adotou a originalidade do estilo Luís XV, desaparecendo os pórticos com colunas de origem clássica. Na escultura nota-se maior naturalidade e juventude, destacando-se os artistas Pigalle, Falconet e Guilherme Couston. A pintura teve artistas fantásticos como Antoine Watteau, François Boucher, Quentin La Tour, Nattier e Fragonard, entre outros. Madame de Pompadour, amante favorita de Luís XV, além de ser responsável pela importação de móveis e porcelanas chinesas, obteve o patrocínio real para a manufatura de cerâmica e porcelana de Sèvres, que superou a produção de Vincennes, tornando-se famosa por suas peças delicadas e extraordinárias. Mas é na decoração interior que se vê toda a originalidade, imaginação e espírito de invenção dos artistas da época. A redução de proporções e mudança do caráter das linhas, produziu uma transformação total. As janelas eram largas e compridas, chegando quase ao chão. As portas eram divididas em quatro painéis e tinham às vezes pinturas decorativas e as lareiras eram de mármore, ornamentadas com conchas, sendo encimadas por espelhos ou pinturas. As paredes tinham os boiserie, painéis de madeira pintados nas cores cinza, verde, azul, amarelo e creme, uma das inovações do estilo Luís XV. A iluminação era feita por meio de lustres de cristal e apliques de bronze. Cortinas grandes e luxuosas guarneciam as janelas, os desenhos dos tecidos em tons neutros e suaves.O mobiliário do estilo Regência trazia ainda as características do móvel do estilo Luís XIV, mas sua composição e ornamento já anunciava o novo estilo. As pernas dos móveis eram "cabriolet" terminadas por "pied-de-biche" (pé de cabra). O mobiliário Luís XV teve influência semelhante à da arquitetura, se evitando na estrutura a simetria e linhas retas. Era um móvel mais confortável e elegante e não mais pesado como do período anterior, conforme disse Henri Clouzot: "O móvel era a preocupação máxima da época. Nunca se viu tal luxo, tal prodigalidade, nunca a imaginação dos fabricantes forneceu formas mais ricas, mais móveis desconhecidos das gerações anteriores."A madeira usada era o mogno, cerejeira ou ameixeira, folheadas ou não com madeira mais fina, pau-cetim ou jacarandá. No ornamento, machetaria, incrustações e aplicações com motivos florais, chineses, pastorais e de concha. Também o mobiliário pintado se tornou popular e um vernis usado pelos irmãos Martin (Vernis Martin) substituiu a laca chinesa. Surgiram móveis elegantes tipo a "bergère", a "chaise-longue", "chiffonnière", "table de nuit", etc. As cômodas tinham formas variadas, sendo comum a frente em "bombé". As mesas tinham as pernas acabadas em "cabriolet" e tampo de mármore. As camas eram em alcova ou com cortinados atrás da cabeceira. As cadeiras eram luxuosas e confortáveis, concavas, o espaldar mais baixo que no período anterior, e o estofamento era feito em brocado, tafetá ou tapeçarias de Beauvais e Gobelin, entrando também em uso os assentos de palhinha.
Aqui deixo um pouco da cultura francesa e sua origem para pessoas que gostem de estarem por dentro da tradição.